Mundo

Com Lula como favorito para derrotar Bolsonaro, o PT de fato quer o impeachment?

Curso Código Milinário

[ad_1]

  • Mariana Schreiber – @marischreiber
  • Da BBC News Brasil em Brasília

Crédito, Reuters

Legenda da foto,

Críticos do PT dizem que partido prefere enfrentar Bolsonaro nas urnas em 2022

Após os atos pela derrubada do presidente Jair Bolsonaro liderados por grupos de direita em 12 de setembro, partidos e movimentos predominantemente de esquerda convocaram novos protestos pelo impeachment neste sábado (02/10) em dezenas de cidades do país.

Desconfianças de ambos os lados têm dificultado unificar as mobilizações em uma frente ampla contra o presidente, o que, na leitura de alguns analistas políticos, acaba reduzindo a capacidade desses atos de pressionar o Congresso Nacional — a decisão de iniciar um processo depende do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que hoje lidera uma ampla base de deputados da centro-direita avessa ao impeachment de Bolsonaro, já que tem sido beneficiada por cargos e verbas federais para seus redutos eleitorais.

Assim como o PT e movimentos historicamente ligados ao partido, a exemplo da Central Única de Trabalhadores (CUT), não aderiram aos atos de setembro, os grupos de direita que lideraram aquela mobilização, como Movimento Brasil Livre (MBL) e Livres, decidiram não ir às ruas nesse sábado.

Um dos motivos é a desconfiança sobre o real compromisso do PT com a luta pelo impeachment. Como as pesquisas de intenção de voto indicam hoje Lula como favorito para vencer a eleição de 2022 em uma disputa direta contra Bolsonaro, há uma leitura de que a preferência dos petistas é por manter o presidente na corrida eleitoral para evitar que outro candidato potencialmente mais agregador se cacife para chegar ao segundo turno contra Lula.

[ad_2]

Fonte Notícia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo