Tecnologia

“Sem tempo para morrer”, de James Bond, é usado para espalhar malware

Curso Código Milinário

[ad_1]

Cinéfilo, atenção! Se você não vê a hora de assistir a Sem tempo para morrer, o novo filme de James Bond, segure a emoção se encontrar um link que promete ter a obra: muitos deles são malwares disfarçados. Quem descobriu a manobra foram pesquisadores da Kaspersky, que encontraram diversos arquivos maliciosos que se passam pelo título.

Em geral, o pacote inclui vírus perigosos: cavalos de Troia criados para obter dados de login e usá-los para criar backdoors nos computadores dos usuários. Os analistas encontraram, ainda, adware e ransomware que tentam se passar pelo filme.

Além disso, vários sites de phishing têm supostos links para a produção. Depois de assistir aos primeiros minutos, entretanto, o usuário precisa se registrar e inseris dados de cartão de crédito para continuar. Quando completa o cadastro, porém, não consegue mais assistir. Os cibercriminosos, então, usam as informações para fazer cobranças no cartão e ainda ficam com elas para usar em outras fraudes.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Imagem: Divulgação/MGM

Tatyana Shcherbakova, especialista da Kaspersky, lembra que filmes sempre foram usados por cibercriminosos para espalhar malware e levar usuários a sites de phishing. Com a pandemia, as estreias passaram a ocorrer em sites de streaming legítimos e essa prática ganhou impulso.

Os golpistas estão prontos para ganhar dinheiro com estreias muito aguardadas. “O público está ansioso para ver o filme e esquece da cibersegurança”, aponta Tatyana. “É importante manter-se atento às paginas que visita, não fazer download de arquivos de qualquer site e ter cuidado ao compartilhar informações pessoais.”

A Kaspersky recomenda que os usuários fiquem atentos às extensões dos arquivos. Um arquivo em vídeo, por exemplo, nunca terá extensão .exe ou .msi. E mais: é importante usar um software de segurança que identifique anexos maliciosos e bloqueie sites de phishing.

Fonte: CNet

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

[ad_2]

Fonte Notícia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo