Tecnologia

Windows 11 vem com editor de vídeo da Microsoft, mas ele não é 100% grátis – Aplicativos e Software – Blog Cursos de Qualidade

Curso Código Milinário

[ad_1]

Microsoft incluiu um novo editor de vídeos no Windows 11 em uma versão experimental do sistema. Conhecido como Clipchamp, o software oferece desde ferramentas de edição simples até banco de imagens para montar os vídeos. O aplicativo, no entanto, requer uma assinatura para liberar todos os seus recursos. 

Notebook Positivo com Windows 11 (Imagem: Darlan Helder/Blog Cursos de Qualidade)

O editor de vídeos deu as caras na compilação 22572, liberada nesta quarta-feira (9) no canal Dev do Windows InsidersSegundo as notas de atualização publicadas pela Microsoft, o aplicativo passará ser disponibilizado nativamente no sistema. A novidade chega ao lado do Microsoft Family, que também tornou-se um app padrão.

O Clipchamp chega com a promessa de facilitar a edição de vídeos de um jeito “fácil, rápido e divertido”. Entre as ferramentas disponíveis, estão as opções para corte, divisão, efeitos de transição, entre outros. Os usuários também têm acesso a uma linha do tempo para administrar a imagem e o som dos conteúdos, por exemplo.

A Microsoft ainda ressalta outros destaques do app. É o caso da “biblioteca com mais de um milhão de vídeos, faixas de áudio e imagens isentas de royalties que podem ser adicionadas aos vídeos”. O programa ainda tem um “gerador de conversão de texto em voz com tecnologia Azure capaz de criar locuções em mais de 70 idiomas” e ainda se conecta ao OneDrive.

Legal, não é mesmo? O problema é que nem tudo isso está disponível a exatamente todos os usuários, pois o Clipchamp possui um modelo de assinatura. Em outras palavras, você até pode usá-lo gratuitamente. Mas terá recursos limitados e também exportará vídeos em até 480p.

Clipchamp torna-se app padrão do Windows 11 (Imagem: Reprodução/Microsoft)
Clipchamp torna-se app padrão do Windows 11 (Imagem: Reprodução/Microsoft)

Windows 11: Clipchamp custa a partir de US$ 9 ao mês

O Clipchamp possui quatro planos. Em comum, as quatro modalidades oferecem “produção de vídeo ilimitada” e “todas as ferramentas de edição básicas”, além da possibilidade de usar arquivos de mídia próprios e fazer gravações com a webcam ou da tela. Mas as demais funções são diferentes entre as opções:

Recurso Basic Creator Business Business Platinum
Resolução da exportação até 480p até 720p até 1080p até 1080p
‌Áudio de estoque Não Ilimitado Ilimitado Ilimitado
Estoque de vídeo‌ Não Não Não Ilimitado
Banco de imagens‌ Não Não Não Ilimitado
Armazenamento em Nuvem Não Sim Sim Sim
Templates de vídeo Premium Não Não Não Sim
Kit de marca Não Não Sim Sim

Os valores também não são lá os mais baratos. Claro, se você contratar o plano Basic, não precisará pagar um centavo. Porém, caso queira mais recursos, é preciso recorrer às opções Creator, Business ou Business Platinum. Veja as mensalidades disponíveis no site do Clipchamp para o Brasil (sim, estão em dólar mesmo):

  • Basic: grátis;
  • Creator: US$ 9 por mês (cerca de R$ 45);
  • Business: US$ 19 por mês (cerca de R$ 95);
  • Business Platinum: US$ 39 por mês (cerca de R$ 195).

Também há opções para pagamento anual. Neste caso, o consumidor garante um desconto de 30% caso opte pela modalidade de pagamento único para doze meses de uso. Os valores variam entre US$ 72 (cerca de R$ 360) e US$ 324 (R$ 1.625) ao ano.

Planos do Clipchamp custam a partir de US$ 9 ao mês (Imagem: Reprodução/Blog Cursos de Qualidade)
Planos do Clipchamp custam a partir de US$ 9 ao mês (Imagem: Reprodução/Blog Cursos de Qualidade)

Enquanto isso, na concorrência…

Os valores do Clipchamp se aproximam de soluções mais robustas do mercado. O plano Business Platinum, por exemplo, oferece banco de imagens, som e vídeo. Em comparação, a biblioteca da Adobe, o Adobe Stock, custa R$ 124 por mês no Brasil, enquanto o Premiere Pro sai por R$ 90, ambos no plano anual. Somando os dois, a mensalidade seria de R$ 214.

A Microsoft também fica atrás da Apple neste sentido. Ao adquirir um Mac, o usuário pode utilizar o iMovie para editar filmagens sem gastar um centavo a mais. Além disso, o app para macOS traz uma grande vantagem: enquanto o Clipchamp exporta os vídeos em até 1080p por US$ 19 ou US$ 39 ao mês, o iMovie salva os arquivos em até 4K sem precisar de assinatura.

A Apple também possui uma resposta ao Adobe Premiere Pro: o Final Cut Pro. Assim como o iMovie, o aplicativo está disponível apenas para Mac. O software, no entanto, custa R$ 1.699,90 em pagamento único (ou seja, não funciona através do modelo de assinaturas), enquanto o app da Adobe custa R$ 1.032 no pagamento anual pré-pago. 

Com informações: SlashGear e XDA-Developers

[ad_2]

Fonte Notícia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo