Mundo

Biden minimiza ameaça nuclear de Putin: “Não devemos nos preocupar”

Curso Código Milinário

[ad_1]

Diversos integrantes do governo dos Estados Unidos, inclusive o presidente Joe Biden, voltaram a condenar os bombardeios russos contra a Ucrânia.

A Ucrânia vive o quinto dia de ataques. Kiev, capital e coração do poder, e Kharkiv, segunda maior cidade ucraniana, estão sob forte bombardeio. Civis foram alvejados pelas tropas russas.

Nesta segunda-feira (28/2), Biden declarou que não existe motivo para pânico mesmo com a ameaça do presidente russo, Vladimir Putin, de colocar em alerta suas “forças nucleares”.

“Não devemos nos preocupar com a guerra nuclear”, garantiu, direcionando sua fala à população americana. O Pentágono, órgão de segurança americano, diz que não há nenhuma mudança concreta na posição nuclear da Rússia.

Avanço da guerra

Antes, em pronunciamento, transmitido ao vivo de Washington, o governo americano foi categórico. “Russos continuam avançando em direção a Kiev”, alertou o porta-voz do Pentágono, órgão do governo americano, John Kirby.

Segundo Kirby, as tropas russas estão “atrasadas” no planejamento, mas seguem avançando na direção da capital ucraniana. “Todo o sangue está nas mãos de Putin”, condenou.

0

Imagens de satélite mostram que as forças terrestres russas estão indo em direção a Kiev. A estimativa é de que o comboio tem 27 quilômetros e é composto por centenas de tanques, blindados e outros veículos de guerra.

O governo americano disse, em movimento uníssono à comunidade internacional, que tem armas e caças para enviar ao Exército ucraniano. Diversos países já anunciaram medidas do tipo.

A Rússia e a Ucrânia vivem um embate por causa da possível adesão ucraniana à Otan, entidade militar liderada pelos Estados Unidos. Na prática, Moscou vê a possível entrada do vizinho na organização como uma ameaça à sua segurança. Os laços entre Rússia, Belarus e Ucrânia existem desde antes da criação da União Soviética (1922-1991).

[ad_2]

Fonte Notícia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo