Mundo

Proibição dos EUA ao algodão de Xinjiang começará

Curso Código Milinário

[ad_1]

A proibição dos Estados Unidos ao algodão produzido pelos uigures está prestes a começar, forçando a indústria da moda dos EUA a se adaptar.

O Departamento de Estado dos EUA divulgou um relatório alegando que o governo chinês continua um genocídio uigur.

No início deste ano, os legisladores franceses rotularam oficialmente o tratamento dos uigures pela China de “genocídio”, pedindo ao governo que tome “as medidas necessárias dentro da comunidade internacional e em sua política externa em relação à República Popular da China” para proteger os uigures. A mudança ocorre poucas semanas antes das Olimpíadas.

No final de 2021, o Congresso americano aprovou um projeto de lei que exigiria que as empresas provassem que seus bens importados não vieram de trabalho escravo uigure. O presidente Biden comparou o tratamento chinês ao povo uigur ao Holocausto.

Um detetive chinês no exílio falou à CNN sobre a tortura a que os uigures foram submetidos na China, incluindo agressão sexual, eletrocussão, fome e afogamento.

Manifestantes se reuniram em Paris para exigir que a UE proíba produtos feitos com mão de obra uigur. Quatorze novas empresas chinesas foram adicionadas à lista negra dos EUA por violação de direitos humanos em Xinjiang. Logo após as eleições de janeiro, em sua primeira ligação com o oficial chinês Yang Jiechi, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, pressionou a China sobre o tratamento dado aos uigures e aos tibetanos. O Departamento de Estado dos EUA também rotulou o tratamento da China ao povo uigur de genocídio, a crítica mais dura à ação de Pequim e um sinal de que a comunidade internacional pode aumentar a pressão sobre Pequim.

A Comissão Executiva do Congresso dos Estados Unidos sobre a China (CECC) concluiu, finalmente, que “crimes contra a humanidade – e possivelmente genocídio – estão ocorrendo” contra o povo uigur.

A professora de Columbia Leta Hong Fincher alertou os observadores da China na conferência do Centro de Estudos Internacionais e Estratégicos que o país está embarcando em um programa de eugenia.

“O que me chamou a atenção foi que eles realmente usam uma linguagem específica dizendo que a China precisa ‘melhorar a qualidade da população’”, disse ela. “Eles precisam ‘otimizar sua política de nascimento’. Eles até usam um termo… que está efetivamente enfatizando o papel da eugenia no planejamento populacional na China.”

O novo livro do Papa Francisco continha uma condenação há muito esperada, embora sutil demais, ao tratamento de Pequim às minorias religiosas, especialmente o povo uigur.

Dois meses atrás, um grupo de cerca de duas dúzias de uigures levou a China ao Tribunal Penal Internacional, alegando crimes contra a humanidade, tortura e genocídio.

Um médico uigur descreveu coisas horríveis acontecendo como parte das tentativas da China de controlar a população uigur, incluindo abortos forçados e histerectomias. O depoimento deste médico confirma o que as mulheres uigures disseram sobre suas experiências na campanha genocida de Pequim, descrevendo a esterilização forçada e outras violações dos direitos humanos.

Uma coalizão de mais de 180 grupos de direitos humanos diz que é “praticamente certo” que um em cada cinco produtos de algodão é resultado de trabalho forçado uigur e que quase toda a indústria da moda é cúmplice do trabalho forçado.

A França pediu observadores externos em áreas uigures chinesas como evidência de genocídio. Um grupo de advogados britânicos também disse que a comunidade internacional é legalmente obrigada a agir.

Uma investigação do New York Times revelou que o governo chinês pode estar forçando os uigures a fazer máscaras faciais, algumas das quais acabam nos Estados Unidos. O Times conseguiu rastrear uma remessa para o estado da Geórgia, por exemplo.

De acordo com um relatório recente da Austrália, um número chocante de empresas globais está explorando os campos de trabalho forçado uigures criados pelo governo chinês. Aqui estão apenas algumas dessas empresas: Abercrombie & Fitch, Amazon, GAP, H&M, Nike, Jack & Jones, Sharp, Siemens, Skechers, ASUS, Apple, Samsung, Huawei, BMW, Volkswagen, Sony, Polo Ralph Lauren, Puma, Victoria’s Secret, Vivo.

Um novo relatório da Foreign Policy concluiu que o tratamento da China aos uigures, cazaques e outras minorias muçulmanas constitui genocídio.

A notícia chega quando a China aumenta suas tentativas de acabar com o povo uigure, tentando controlar o crescimento populacional. O governo é forçado a implantar DIUs, esterilizar e realizar abortos em uigures para impedi-los de procriar.

O governo chinês também está enviando uigures para campos de detenção por barbas crescentes ou uso de véus, ambos relacionados a práticas muçulmanas. Além disso, o governo também está detendo uigures por visitarem sites estrangeiros.

Pequim também está forçando os membros muçulmanos da comunidade uigur a redecorar suas casas, removendo qualquer coisa que não pareça “tradicionalmente chinesa” e substituída por decorações que pareçam.

Além disso, imagens de satélite revelaram que mais de 100 cemitérios uigures foram destruídos, mais uma evidência das tentativas da China de apagar o povo uigur.

Mais notícias.

[ad_2]

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo